A Casa de Farinha alega falta de pagamento em notas de até seis meses / Foto: Reprodução/TV Jornal

A empresa Casa de Farinha alega falta de pagamento por parte do Governo de Pernambuco de notas fiscais que chegam até seis meses de atraso

Da Editoria de Política do JC / Foto: Reprodução/TV Jornal

A Casa de Farinha S.A., responsável pelo fornecimento de merenda para escolas estaduais de Pernambuco, suspendeu o fornecimento de alimentos em 15 escolas estaduais de 10 diferentes cidades do Estado. Segundo a empresa, a suspensão se deu pelo atraso no pagamento que fica a cargo da Secretaria de Educação estadual.

De acordo com a Casa de Farinha, a falta de pagamento é referente a notas ficais de até seis meses. A paralisação acontece desde a última segunda-feira (3). Ao JC, a fornecedora informou que vai restabelecer o serviço a partir desta quinta-feira (6), pois recebeu uma nova promessa da Secretaria de Educação de que o pagamento será realizado nos próximos dias.

À Rádio Jornal, alunos da Escola de Referência Olinto Victor, na Várzea, Zona Oeste do Recife, afirmaram que estão sem aulas em horário integral na unidade desde segunda-feira. De acordo com os estudantes, eles passaram a ser liberados às 11h por falta de alimentação.

NOTIFICAÇÃO

Em novembro, após notificar o Governo do Estado sobre umaa suspensão na distribuição de merendas escolares de 66 escolas em 35 cidades de Pernambuco, a Casa de Farinha S.A. afirmou ter recebido parte do pagamento e retomou prontamente a distribuição dos alimentos. Em nota, a empresa disse que recebeu o valor equivalente a cerca de 10% do débito total de cerca de R$ 8 milhões, pago via Secretaria de Educação.

A empresa destacou que a continuidade do fornecimento estará condicionada ao cumprimento do cronograma de pagamento que será estabelecido com o Governo do Estado. “Entendemos a delicada situação financeira a qual o Estado se encontra, entretanto, a ausência de pagamentos por tanto tempo torna inviável a manutenção do serviço. Mesmo com os atrasos a Casa de Farinha vem honrando a folha de pagamento e os tributos necessários. Acreditamos no compromisso do Estado”, afirmou a Casa de Farinha no último dia 20 de novembro.

De acordo com a Casa de Farinha, após o pagamento dos 10%, o governo estadual não seguiu o cronograma acertado.

A reportagem contatou o Governo de Pernambuco que deve se pronunciar sobre o assunto ao longo do dia.